sábado, 23 de março de 2013

Os "Tipos" de Diabetes



Quando se fala em diabetes é importante entender que há 2 tipos principais: Tipo 1 e Tipo 2. Os dois apresentam diferenças importantes que implicam em tratamentos diferentes.  É importante que esta diferença seja esclarecida para que não se faça confusão na hora de se estabelecer orientações nutricionais e uso de medicamentos.

Abaixo uma explicação breve de cada um dos tipos:

DIABETES TIPO 1

O diabetes mellitus tipo 1 é uma doença caracterizada pelo aumento anormal da glicose no sangue devido a deficiência do hormônio insulina. O pâncreas pára de produzir este hormônio e a glicemia sobe. Este distúrbio acomete geralmente indivíduos jovens, ocorrendo na faixa etária entre a infância e os 30 anos. Sua causa ainda não está completamente esclarecida.

Os principais sintomas são: perda de peso, sede em excesso, aumento do volume de urina, visão borrada e cansaço. O diagnóstico é realizado pelo exames de glicemia e ,se confirmado, o tratamento deve ser feito imediatamente com hidratação e administração de insulina. Se não tratado na fase inicial o diabetes tipo 1 pode levar a complicações graves pela desidratação. A longo prazo, a falta de tratamento pode gerar problemas visuais, neurológicos e mal funcionamento dos rins.

Além da orientação nutricional, o tratamento consiste em injeções diárias de insulina administradas pelo próprio paciente com orientação de um médico endocrinologista. Através do correto uso da insulina e um bom acompanhamento da doença, o portador do diabetes tipo 1 pode levar uma vida normal sem prejuízos à saúde.


DIABETES TIPO 2

O diabetes mellitus tipo 2 é uma doença crônica que acomete, geralmente, adultos e está associada ao ganho de peso e ao sedentarismo. Ela também é caracterizada pelo aumento anormal da glicose no sangue, porém não pela falta da insulina, mas sim devido a uma "resistência" à ação da insulina.

Nas fases iniciais, o paciente geralmente não apresenta sintomas, por isso a importância do exames de glicemia. Quando presente , os sintomas são : fadiga, sede em excesso, aumento da micção e perda de peso. Quando não tratado, pode levar ao desenvolvimento de doenças como infarto do miocárdio, insuficiência renal , problemas visuais , disfunção erétil, úlceras nos pés de difícil cicatrização entre outras. 

O tratamento consiste primariamente na modificação dos hábitos de vida com reeducação alimentar e prática de exercícios físicos. A perda de peso torna-se a principal meta em indivíduos com sobrepeso e obesidade. Além disso, são utilizados medicamentos que controlam a taxa de glicose no sangue, destes, temos os comprimidos via oral e/ou a insulina.



Dr. Rafael Nardini Queiroz Pergher
Dr. Marcio Aurélio da Silva Pinto

Nenhum comentário:

Postar um comentário